quarta-feira, 3 de abril de 2013

AS 3 DIMENSÕES DA KABALÁ


Chaim David Zukerwar, Editora Sêfer, 200 páginas (14x21 cm, brochura), ISBN 85-85583-16-9, 1999 – 3ª edição

Informações e encomendas através do email  euronigma@sapo.pt 
***
Essência, Infinito e Alma – Princípios Gerais da Sabedoria da Kabalá
"A fusão com os Livros Verdadeiros activa o homem e lhe traz a vontade e a força dos sábios que escreveram aqueles textos. O saber não é o objectivo do estudo, e sim um meio para semear a Vontade Superior, a Vontade e Desejo de Dar e Beneficiar, no coração do homem. É isso que mede o nível espiritual do homem. Isso é todo o homem."
Iehudá Leib Halevi Ashlag
***
O domínio de uma sabedoria baseia-se no conhecimento dos códigos que levam à compreensão dos fenómenos aos quais ela se dedica. Numa época como a nossa, na qual a informação circula vertiginosamente, influenciando e moldando a opinião pública sem critério ou rigor, textos e manuscritos antigos sobre Kabalá são muitas vezes traduzidos e levados a público de forma subjectiva, pouco responsável. Esta conduta dá origem a inúmeros mal-entendidos acerca da índole, do significado e do propósito de um material singularmente rico, e acaba criando e alimentando uma corrente de leitores aficionados a diversas formas de "misticismo", "ocultismo", "esoterismo" etc. Tais "ismos" manipulam trechos isolados, incompletos, de textos e códigos referentes ao tema, contribuindo apenas para aumentar a confusão e a desinformação no que diz respeito aos objectivos do trabalho espiritual judaico.
Por isso, ensinam nossos sábios que é fundamental aprender de um verdadeiro iniciado a linguagem, a terminologia e os objectivos da Kabalá. Somente assim podemos evitar a interpretação dos textos fora do contexto da Torá. O oposto resultaria apenas na produção de sincretismos, pseudo-espiritualidades e mistificação.
Há chegado o momento de discernir onde impera a confusão. É fundamental explicar a sistemática dos registos e dos códigos da sabedoria da Kabalá. É preciso conhecer profundamente a "Sfat há-Anafim", a linguagem das Ramificações, assinalando com exactidão a direcção e o objectivo de cada um de seus conceitos.
Chaim David Zukerwar
***
Sobre o autor:
Chaim David Zukerwar nasceu em 1956, em Montevideu, Uruguai. Passou a dedicar-se ao estudo da Kabalá ainda na adolescência e conheceu seu mestre e sábio kabalista, o rabino Mordechai Shainberguer, em 1988, quando aprofundava seus conhecimentos em seminários rabínicos de Jerusalém, cidade para a qual transferiu-se definitivamente em 1989.
Músico e compositor por formação, Chaim David Zukerwar alia de forma harmónica suas duas áreas de actuação ao expressar, na essência de sua obra escrita e musical, os valores universais da tradição de Israel.
Paralelamente à carreira musical coordena e dirige centros de difusão de Arte e Sabedoria de Israel, lecciona na Universidade Hebraica de Jerusalém, é conferencista convidado da Universidade Bar-Ilan, implanta grupos de estudo por todo o país e, também organiza e participa de seminários sobre a Kabalá em toda a América Latina.
Zukerwar tem obras publicadas sobre o Talmud, arte e psicologia, além da Kabalá. Entre suas composições mais importantes, figuram "O Cântico do Profeta", para violino e orquestra, "O Triunfo de Jerusalém", "Os dez cânticos do Rei David", para viola, violoncelo e orquestra, e a ópera "José e seus irmã"s".