terça-feira, 26 de março de 2013

HAGADÁ DE PÊSSACH


Idealização: Jairo Fridlin, Ilustrações: Ruben Rosemberg, Editora Sêfer, 126 páginas (16x23 cm, brochura), ISBN 978-85-85583-17-0, 1993 (10ª edição)
Informações e encomendas através do email  euronigma@sapo.pt 

***
INTRODUÇÃO Um momento especial na vida familiar judaica é a hora do Sêder. Nele, o povo judeu resgata a sua memória tri-milenar e vivencia a época na qual uma grande família conquistou sua liberdade e soberania e passou a conviver no palco das nações no sentido mais pleno. É revivendo os episódios desta saga que culminou no êxodo do Egipto que a família judaica congraça-se e renova sua crença num mundo livre e mais humano, acalentando a chama da tradição e a aspiração messiânica, sob a égide do Estado de Israel e a grande esperança de continuidade depositada nos jovens e crianças do nosso povo. Esta Hagadá, que ora apresentamos, reflecte esse anseio. Dirigida aos públicos jovem e adulto, ela pretende reforçar o elo de ligação entre as gerações, possibilitando a todos acompanhar juntos as sublimes lições que há milénios nossos antepassados revivem nas duas primeiras noites de Pêssach. Através de recursos gráficos sofisticados e uma preocupação constante com a didáctica e a clareza dos textos, esta Hagadá almeja fortalecer a tradição do Sêder nos lares judaicos – de um Sêder com conteúdo religioso, à maneira tradicional. Nesse sentido, esta Hagadá traz, lado a lado, um moderno texto hebraico, sua transliteração (pronúncia fonética), para aqueles entre nós, que ainda não aprenderam o nosso idioma sagrado, sua tradução para o português, tradução esta explicativa, bem acessível e adaptada para a leitura em voz alta, instruções concisas sobre os procedimentos usuais durante o Sêder, tanto para ashkenazim como para sefaradim, e breves comentários sobre alguns trechos relevantes e conhecidos. As ilustrações e todo o colorido pretendem, ao mesmo tempo, encher os olhos das crianças e servir como instrumento didáctico para certas nuances da Hagadá. A sensação do dever cumprido sentiremos se mais chefes de família "ousarem" organizar um Sêder em suas casas e descobrirem quão prazeiroso, fácil e recompensador é para um pai ou uma mãe transmitir eles mesmos aos seus filhos a emoção e responsabilidade de ser judeu. São Paulo, Adar de 5753, Março de 1993 Jairo Fridlin